A queda? Netflix enfrenta trimestre difícil e preocupa investidores

Apesar de continuar em um ritmo semelhante ao visto nos últimos anos trazendo cada vez mais conteúdos originais, a Netflix esbarrou em um trimestre difícil e encarou um número de assinaturas menor do que o esperado nas projeções de analistas financeiros. Talvez por conta disso a empresa de streaming tenha adotado a estratégia de aumentar o preço dos seus planos ao redor do mundo e até mesmo criado um plano, intitulado Ultra.

Com um aumento de clientes rodando abaixo do especulado – eram esperados 6,5 milhões de novas assinaturas no segundo semestre, mas o serviço adicionou “apenas” 5,15 milhões – a própria empresa divulgou recentemente em uma reunião voltada para acionistas que o crescimento foi “forte, mas não estelar”. Talvez, graças a especulação não atendida, as ações da empresa enfrentaram uma verdadeira queda, fechado 15% abaixo do normal.

Tendo se tornado a companhia de mídia mais valiosa do planeta, com mais valor de mercado que a Disney ou a Comcast, maior operadora de TV a cabo do mundo, a Netflix viu suas ações dobrarem no último ano e esse sucesso não foi por acaso. As produções originais da empresa foram indicadas a 112 premiações do Emmy, superando verdadeiras potencias do ramo como a HBO, que não era superada em indicações há 17 anos.

netflix.jpg
Imagem: B9

No entanto, talvez esse crescimento abaixo do esperado pode ser explicado de uma forma. A plataforma de streaming não estreou nenhuma nova temporada de títulos aclamados pelo público, como House of Cards ou Stranger Things, por exemplo, e nenhum dos títulos anunciados recentemente se tornou um grande fenômeno mundial.

Mas como diria o ditado popular, há de se dar a César o que é de César. A Netflix pode ter sido a pioneira quando o assunto é trazer grandes quantidades de conteúdo por um preço camarada, mas a situação não é mais essa há algum tempo e a concorrência hoje em dia é acirrada. Excelentes serviços de streaming do HBO, da Google e da Amazon estão estabelecidos e ameaçam, apesar de não ser de uma forma significativa, a supremacia da empresa.

O fato é que a Netflix está fazendo o trabalho dela e investiu cerca de U$$ 1 bilhão de dólares em marketing para atrair novos clientes – U$$ 546 milhões a mais se comparado ao mesmo período do ano passado. Além disso, a empresa pretende adicionar nesse ano cerca de 700 séries e filmes originais em seu catálogo, contabilizando o investimento de U$$ 8 bilhões de dólares na produção de novo conteúdo.

Autor: Philipe Farias

Fonte: Whotv