Que mala em! Passageiro é detido ao tentar passar pela alfândega com 246 iPhones

Como você mesmo deve saber, para comprar um iPhone X no nosso país, na sua versão mais simples, a com 64 GB de armazenamento interno, o consumidor precisa desembolsar uma quantia que ronda a casa dos R$ 6 mil reais. Com isso, nem mesmo aqueles com alto poder aquisitivo costumam se dispor a pagar um valor tão alto, recorrendo normalmente a comprar o smartphone em alguma viagem para fora do país.

No entanto, como nem todo mundo tem condições de viajar para o exterior e nem tem um amigo que viaje, a única opção restante para ter acesso ao aparelho vendido lá fora é através de pessoas que muitas vezes acabam vivendo de trazer esses e outros eletrônicos para o Brasil.

O grande problema é que há um valor limite de U$$ 500 dólares para a importação de bens adquiridos no exterior. Com isso, a prática de trazer esses itens sem a devida declaração e em grandes quantidades acaba se tornando ilegal, uma vez que o praticante estaria burlando as leis ficando isento da grande carga tributária aplicada pelo governo brasileiro.

iphones.jpg
Imagem: G1
iphones1.jpg
Imagem: G1

Um passageiro brasileiro de 36 anos foi flagrado ontem, 02 de agosto, no aeroporto de Cumbica, Guarulhos (SP), com 3 malas contendo 246 iPhones X. Os aparelhos, que foram apreendidos, não estavam acompanhados de notas fiscais e são do modelo mais básico vendido pela Apple, o com 64 GB de armazenamento interno, que é vendido nos Estados Unidos por U$$ 999 dólares, cerca de R$ 3.704 reais sem contar impostos e taxas.

Segundo a Receita Federal, responsável pela apreensão, o passageiro havia se apresentado no canal de não declarantes – destinado a passageiros que possuem abaixo de U$$ 500 dólares em produtos importados, e as bagagens apreendidas totalizam um valor de aproximadamente R$ 1 milhão de reais.

O indivíduo vinha de Miami e seguiria para o Rio de Janeiro, mas a Receita o encaminhou para a Policia Federal por tentativa de introduzir bens importados no país sem o pagamento dos devidos impostos.

Autor: Philipe Farias

Fonte: G1