Abrindo mão do reconhecimento facial, Galaxy S10 poderá contar com leitor biométrico na tela

Apesar do Galaxy S9 ter sido lançado há apenas 5 meses atrás e o foco da mídia estar estacionado sobre o Galaxy Note 9, que será anunciado no próximo dia 9 de agosto, muito se especula sobre a o suposto Galaxy S10, que fechará a primeira década da linha premium S.

Depois de termos visto aqui mesmo no Tempo Integral supostos vazamentos do novo aparelho indicando uma tela completamente sem bordas, além da possibilidade da extinção do seu alto falante. Novos rumores vindos do site DigiTimes, citando fornecedores taiwaneses de componentes, indicam a possibilidade de o aparelho trazer o sensor biométrico embutido na tela.

Com a grande possibilidade de se tratar de um leitor biométrico ultrassônico, essa pode ser a grande “desculpa” da fabricante sul-coreana ainda não ter apresentado o recurso em seus smartphones topo de linha, uma vez que a tecnologia apresenta um grau maior de dificuldade de implementação. A utilização desse tipo sensor poderá trazer, supostamente, mais conveniência e segurança para os usuários, pois a autenticação não é afetada por elementos como água ou suor.

jar02515.jpg
Imagem: Pocketnow

Ao contrário de outros fabricantes, que insistem em melhorar os seus sensores e algoritmos de reconhecimento facial, a Samsung parece apostar todas as suas fichas no suposto leitor biométrico embutido na tela. De acordo com vozes vindas diretamente da indústria, a empresa talvez abra mão até mesmo do leitor de íris, introduzido há dois anos atrás no explosivo Galaxy Note 7, uma vez que até esse momento ainda não fez pedidos significativos para esse componente e se mostrou bastante evasiva quando questionada se pretende faze-lo até o final do ano.

Ainda de acordo com fontes, a Samsung talvez traga o sensor biométrico sob a tela em outros lançamentos de 2019, como na opção mais robusta e cara do Galaxy A. Até o momento não há maiores informações sobre qual empresa fornecerá o novo componente, mas tudo indica que poderá ser a Qualcomm.  

 

Autor: Philipe Farias