Criança de 9 anos é tratada por causa de vício em Fortnite

Se você é um adulto, jovem ou adolescente que cresceu jogando videogame, bem, você já deve ter ouvido ou visto algum familiar ou até mesmo a mídia falando que videogames podem fazer mal. Desde problemas na visão até atentados em escolas, volta e meia alguém resolve colocar a culpa nos jogos.

Em um caso recente acontecido no Reino Unido, pais se viram na situação de procurar ajuda profissional para tratar o vício da sua filha de 9 anos em Fortnite, jogo no estilo battle royale que tem sido sucesso mundial.

Em declaração ao site Mirror, os pais relataram que haviam comprado um Xbox One para sua filha e que ela havia baixado o Fortnite. Dois meses após a aquisição a criança começou a apresentar sinais de vício, com reclamações vindo da sua professora e também uma grande queda nas notas escolares.

“Quando perguntamos a nossa filha qual era o problema, ela ficou incomumente argumentativa e agressiva, o que associamos aos seus hormônios.” Disse Carol, mãe da criança.

Os pais também começaram a notar pagamentos mensais regulares de £ 50 euros (equivalente a R$ 249 reais) no cartão de crédito, os quais a menina associou a compras no jogo. Ao decidir tirar o console da criança, o pai recebeu uma pancada no rosto.

Então, na tentativa de diminuir o tempo de jogo, estabeleceram uma regra de que ela poderia jogar durante 1 hora nos dias de semana e 2 horas durante o final de semana. Porém, a medida não resolveu e a menina começou a jogar escondida por até 10 horas seguidas durante a noite, sendo encontrada em uma das vezes molhada de urina pois não quis ir ao banheiro graças ao vício.   

A ocasião junto a confissão da menina de estar jogando escondida, levaram os pais a procurar um tratamento psicoterápico profissional para a criança para livra-la do seu vicio no jogo.

Vale ressaltar que o Fortnite possui uma classificação etária de 12 anos. Além disso, é necessário avaliar o tamanho da responsabilidade dos pais em ter deixado a criança ter atingido esse nível de vício, já que a criança pela idade que tem é totalmente dependente deles.

 

Autor: Philipe Farias

Fonte: Techspot